1 ... 16 17 18 19 20 21 22 23 ... 55

Otto maria carpeaux - səhifə 20

səhifə20/55
tarix01.03.2018
ölçüsü3.26 Mb.

HISTÓRIA DA LITERATURA OCIDENTAL 241

bém êle é inimigo do poder corrutor, mas o livro De consideratione, dirigido ao Papa Eugênio III, ensina uma política do amor. O rigorismo moral de Bernardo, pregador

extático sôbre o Cântico dos Cânticos, acaba na contemplação e na união mística, e o seu ascetismo cultural, de que deu testemunho na luta inquisitorial contra Abelardo,

é susceptível de efusões líricas. Os hinos, que a tradição lhe atribuiu, não lhe pertencem. Mas nasceram no seu ambiente, porque são do seu espírito o ardor místico

do " Jesu dulcis memoria" e a emoção dolorosa do "Salve, caput cruentatum". São os hinos mais sentidos, mais líricos da Igreja latina.

São quase da mesma época numerosos outros hinos, anônimos todos, e na maior parte marianos, que se assemelham bastante aos hinos pseudobernardinos, distinguindo-se,

no entanto, pelo lirismo mais musical. A modificação parece puramente literária; mas é de- uma im portância muito maior.

Os hinos litúrgicos caracterizam-se pela estranha magia da língua: vogais longas, com preferência pelos ditongos; determinadas combinações de sons; recitativos monótonos;

a melodia do verso encontra-se "abaixo do limiar dos conceitos intelectuais% como se as palavras fôs

m sem feitas para acomodar-se a um ritmo já preexistente, à inaudível harmonia das esferas. Essa magia lingüística é que exprime as angústias apocalípticas e júbilos

angélicos do "honro cluniacensis". Pela magia lingüística, o hino representa, em forma adequada, certos sentimentos religiosos - a "majestas tremenda% o "amor mysticus"

- que são, por si mesmos, inefáveis: os sentimentos "numinosos" C). Êsse traço característico é comum aos hinos de têdas as religiões em certa fase da sua evolução:

ressoam hinos assim nos templos budistas e nas sinagogas. O hino litúrgico em língua latina distingue-se pelo fato de conser

24) R. Otto: Das Heilige. 22.a ed. Berlin, 1932.

#242 OTTO MARIA CARPEAUX

var a capacidade de exprimir conteúdos dogmáticos de maneira muito precisa. Naqueles hinos marianos, porém, o ritmo prejudica o conteúdo, transformando o dogma marrano

em substrato de uma poesia quase erótica; as cesuras não são determinadas pela lógica da frase, e sim pela música do verso; um elemento musical, a rima, rompe o

equilíbrio métrico; os símbolos, que pretendem representar o dogma, tornam-se independentes.

O grande poeta dessa fase é Adam de St. Victor (25). Grande poeta exatamente porque o valor da sua poesia reside mais nas qualidades literárias do que nas qualidades

litúrgicas. O poeta do "Salve, mater salvatoris" e do "Ave, vergo singulares" é um criador de símbolos; inventou ou popularizou um conjunto impressionante de metáforas

mariológicas. Desde Adam de St. Victor, tôda a gente entende imediatamente o

"Rosa mystica, Turres Davidica, Turres eburnea, Domas aurea, Foederis arca, Janua coeli, Stella matutina"

Adam de St. Victor moveu êsses símbolos por meio de uma arte extraordinária do verso, de troqueus de 7 ou 8 sílabas, fortemente ritmadas e suavemente rimadas. Arte

25) Adam de St. Victor, c. 111O - c. 118O.

Dos muitos hinos que se atribuem a Adam, só pequena parte é autêntica; 45, dizem alguns, 14, dizem outros. O grande número das atribuições revela que Adam era o

porta-voz poético dos clérigos de sua época.

L. Gautier: Les oeuvres poétiques d:"Adam de St. Victor. Paris, 1858.

D. S. Wrangham: The Liturgical Poetry of Adam of St. Victor. Oxford, 1881.

HISTÓRIA DA LITERATURA OCIDENTAL 243

quase parnasiana, que devia acabar, nos seus imitadores, em rotina.

O hino salvou-se pela influência do grande movimento religioso que deu ímpeto inédito aos sentimentos numinosos do franciscanismo. Mas a última palavra coube à solidificação

do sentimento: a volta ao conteúdo dogmático, sem o qual o hino da Igreja perderia a sua significação especial. Por isso, o maior teólogo dogmático da Igreja romana

também é o seu maior poeta litúrgico: Tomás de

Aquinò (26). Os seus poucos hinos - "Pangue, língua,

gloriosi" e "Lauda, Sion, Salvatorem" - reúnem duas qualidades que raramente se encontram ná poesia lírica: a maior precisão e a maior musicalidade. Seria possível

comentar êsses hinos como se fôssem tratados teológicos sôbre a eucaristia; ao mesmo tempo, versos como

"Tantum ergo sacramentam Veneremur cernui: Et antiquum documentam Novo cedas ritui

Praestet fedes supplementum Sensuum defectui..."

ficam indelèvelmente na memória, o que é um dos critérios mais seguros da grande poesia.

Esta última fase da hinografia latina tem, outra vez, importância mais do que literária. A Igreja romana não adotou o "credo ut intelligam", algo fideísta, de S.

Anselmo, mas tomou como base do seu dogma a filosofia

26)


Thomas de Aquino, 1225-1274.

J. Hoffmann: Verehrung und Anbetung des Sakraments des AItars. Kempten, 1897.

M. Grabmann: The Interior Life of St. Thomas Aquinas. (Trad. ingl.) Milwaukee, 1949.

#244:" OTTO MARIA CARPEAUX

aristotélica (27). Também não foi aos discípulos entusias

mados de S. Francisco, e sim aos filhos eruditos de S. Domlngos, que coube a tarefa de construir a catedral da escolástica. Quando ficou pronto o edifício, que o

"honro liturgicus" de Cluny começara, era um sistema filosófico, e uma instituição jurídica.

Êsse edifício não está, de modo algum, separado do mundo profano. Ao contrário, só agora a Igreja é capaz de vencer os restos do paganismo germânico e penetrar até

nos modos da vida profana. As catedrais levantam-se nas grand:"places das cidades. Em todo o castelo há uma capela particular. Já com os cluniacenses, os ideais

cristãos

começam a modificar o ideal do guerreiro germânico; começa a esboçar-se o tipo do cavaleiro cristão, do futuro cruzado. As cabeças dessa gente estão cheias de lendas

fantásticas, tradições pagãs, lembranças bélicas. Açontece, porém, que a elaboração literária dêsse mundo ideal é feita, principalmente, por clérigos. As origens

da epopéia medieval ligam-se à cristianização definitiva do Ocidente.

A historiografia literária francesa distingue tradicionalmente três ciclos de epopéia medieval: o Ciclo de Carlos Magno, o Ciclo Bretão e o Ciclo Antigo.

O Ciclo de Carlos Magno, a "gesse de Charlemagne" (28), tem origem histórica. A batalha de Roncesvales, contra os árabes espanhóis, em 15 de agôsto de 778, nunca

foi esquecida; tornou-se lendária. A memória do herói Rolando acrescentaram-se as lendas locais das igrejas, si

27) O significado da transição, de Anselmo a Thomas, é bem explicado em:
W. von den Steinen: Vom Heiligen Geist des Mittelalters. Berlin, 1928.

28) G. Paris: Histoire poétique de Charlemagne. 2.a ed. Paris, 19O5. J. Bédier: Les légendes epiques. Recherches sur Ia jormation des chansons de peste. 3.a ed.

4 vols. Paris, 1925. F. Schuerr: Das alfranzoesische Epos. Stutrgart, 1926. J. Crosland: The Old French Epic. Oxford, 1951.

HISTÓRIA DA LITERATURA OCIDENTAL 245

suadas nos caminhos da romaria para Santiago de Compostela, a qual tinha que passar por aquêles lugares de recordações bélicas. E os clérigos daquelas igrejas eram

os que, conforme a hipótese de Bédier, elaboraram as lendas épicas. A intervenção de Carlos Magno e dos "pares" naquela luta introduziu extensa matéria de outra

proveniência, lembranças de guerras feudais francesas, na própria França e em todo o mundo; tradições germânicas, pedaços do ciclo bretão, lembranças das Cruzadas

contribuíram também para a elaboração de numerosas gestas em tôrno da "gesse de Charlemagne". Guillaume d:"Orange, Aimeri de Narbonne, Enfances Ogier, Berte aux

grands

pieds, Elie de Saint-Gilles, Fierabras pertencem mais diretamente ao ciclo central. Em Doon de Mayence, Renaud de Montauban, Raoul de Cambrai, Girart de Roussillon,

Carlos Magno aparece menos simpático; porque essas gentes tratam da luta dos feudais contra o poder real, refletindo a época anterior à "Treuga Dei". Enfim, em Enfances

Godefroy, Chevalier au Cygne e na Chanson d:"Antioche aparecem as Cruzadas. O conjunto, muito heterogêneo, constitui a "Gesse française".

O Ciclo Bretão (29), no qual se destacam os feitos do

rei Artur e dos cavaleiros da Távola Redonda, as aventuras de Gavain, Lancelot, Tristão e Isolda, Parcifai e a Demandado Santo Graal, tem origem céltica. Na Historia

Britonum, de Nennius, obscuro historiador latino do século VIII, Artur aparece como herói dos celtas britânicos con

29)


P. Marchot: Le roman breton en France ou Moyen Age. Paris, 1898.

A. Nutt: Celtic and Medieval Romance. London, 1899.

W. Lewis Iones: King Arthur in History and Legend. Cambridge, 192O.

I. D. Bruce: The Evolution of Arthurian Romance froco the Beginnings down to the Year 13OO. 2 vols. Goettingen, 1923/1924. E. K. Chambers: Arthur of Britam. London,

1927. E. Feral: La légende arthurienne. 3 vols. Paris, 1929. J. Marx: La Légende Arthurienne et le Graal. Paris, 1952.

#246 OTTO MARIA CARPEAUX

tra os invasores anglo-saxões. As versões autênticamente célticas da lenda estão no Mabinogion, coleção de narrações na língua do País de Gales; aqui a figura de

Artur e dos cavaleiros já perdeu todo o caráter histórico, achando-se inteiramente tranformados pela vivíssima imaginação céltica, nutrida de lendas de feiticeiros,

fadas, florestas encantadas, castelos misteriosos, espectros. O Mabinogion, na sua forma atual, foi redigido só no século XIV; os seus heróis célticos já têm a feição

de cavaleiros franco-normandos. Para o mundo não céltico, a mesma transformação foi operada pelo "historiador" Geoffrey of Mon

mouth (29-A), cuja fantástica Historia regum Britanniae

foi escrita entre 1135 e 1138; parece que Geoffrey pretendeu criar, intencionalmente, um pendant inglês da gente francesa. O último retoque, enfim, foi de natureza

religiosa. Deu-se sentido cristão a certos episódios do ciclo, e como episódio final apareceu, em vez da viagem do rei Artur para a ilha de Avalun, paraíso dos celtas,

a Demanda do Santo Graal e a transformação da Távola Redonda de grupo de cavaleiros aventurosos em irmandade de cruzados místicos.

O Ciclo Antigo (3O) representa a sobrevivência de certos temas greco-romanos, tratados de maneira anacrônica como se os heróis e heroínas de Homero e Virgílio fóssem

29A) L. Keeler: Geoffrey of Monmouth and the Later Latin niclers. Berkeley, 1946.

3O) A. Joly: Benoit de Saint-More et le Roman de Troie, morphoses d:"Homere et de l:"épopée gréco-latine au Moyen Age. 2 vols. Paris, 187O/1871.

P. Meyer: Alexandre le Grand dans Ia littérature française du Moyen Age. 2 vols. Paris, 1886.

W. Greif: Die mittelalterlichen Bearbeitungen der Projasage. Marburg, 1886.

E. Faral: Recherches sur les sources latines des contes et romana courtois. Paris, 1913

A. Graf: Roma nella memoria e nelle immaginazione del mediu evo. 2.& ed. Torino, 1923.

G. Cary: The Medieval Alexander. Cambridge, 1956.

HISTÓRIA DA LITERATURA OCIDENTAL 247

cavaleiros e damas medievais. A Idade Média ignorava as epopéias homéricas. Conheceu apenas duas abstrusas versões da decadência latina: as Ephemeris Belli Troiani,

de um pretenso grego Dictys Cretenses, que foram traduzidas, no século IV da nossa era, pelo romano não menos obscuro Quintus Spetimius; e a De excidio Troiae Historia,

de um falso frígio Dares, do século V. Dictys e Dares distinguem-se de Homero, não só por alguns valores literários, mas pelo ponto de vista. Tomam o partido dos

troianos contra os gregos, e disso gostavam os cavaleiros e damas medievais, porque simpatizavam com o casal adulterino Páris e Helena. Motivos parecidos causarám

a popularidade de um episódio da Eneida: Enéias e Dido. As versões romanescas das conquistas e viagens de Alexandre Magno satisfizeram a curiosidade geográfica.

E um acaso incompreensível deixou sobreviver a fastidiosa Tebaida, de Estácio, da qual existem umas filhas medievais, igualmente feias. Em geral, a Idade Média viu

os enredos de Homero e Virgílio pelos olhos de Ovídio; o interêsse no assunto era principalmente erótico, de trovadores e clérigos enamorados; o Alexandre Magno

medieval não era - como acontece, em geral, com a literatura de viagens - um herói de evasão, e sim um trânsfuga do mundo fechado dos castelos e das igrejas. Era

difícil encontrar sentido religioso na "matière antique". Em todo o caso, justificou-se o interêsse por Tróia e pelo troiano Enéias, por terem sido os troianos que

fundaram Roma, mais tarde capital do cristianismo, de modo que as aventuras amorosas de Páris e Enéias estavam preestabelecidas no plano da Providência; e o aventuroso

Alexandre Magno foi interpretado como símbolo do homem que viaja, sempre insatisfeito, até o fim do mundo, para encontrar a verdade divina. Essas interpretações

não passaram de artifícios; não é possível negar que o ciclo antigo e a maneira de tratá-lo representaram uma irrupção de espírito leigo.

Chroou Méta

#248 :" OTTO MARIA CARPEAUX :"

Com exceção de algumas poucas grandes obras, as versões dos três ciclos são de um valor literário muito diminuto; o melhor lugar para estudá-los poderia encontrar-se

entre os produtos romanescos da alta e baixa Idade Média. O interêsse histórico, porém, é muito grande e situa a questão das origens dos três ciclos entre os problemas

da origem da literatura profana medieval; as "gestes" estão nos começos das literaturas francesa e espanhola, com irradiações importantes para a Alemanha, a Itália,

a Europa inteira.

O problema assemelha-se à questão homérica, e nasceu, realmente, com ela. O romantismo, grande amador da poesia popular e admirador do gênio coletivo, acreditava

que no comêço da literatura havia pequenos poemas populares, de autoria anônima, reunidos depois por "redatores" pessoalmente sem importância; esta solução satisfez

também a admiração dos românticos ao gênio instintivo e o desprêzo à epopéia intencionalmente feita do classicismo. Dêste modo, Lachmann extraiu do Nibelungenlied

2O "canções originais% que teriam constituído a base da re..dação posterior. Fauriel fêz a mesma operação cirúrgica com a Chanson de Roland, e Durán com o Poema

de] Cid. Enfim, Gastou Paris organizou a teoria definitiva: no comêço havia canções curtas, "cantilènes" de origem popular, que foram reunidas, depois, em epopéias

coerentes, as quais, afinal, se dissolveram em "romances", no sentido espanhol da palavra romance (31).

Após as primeiras dúvidas, expostas por Milá y Fon

tanals, vieram os estudos de Rajna (32), Bartsch, Bédier e

Menéndez Pidal, que inverteram o estado das coisas. Admitem êles que canções curtas comparáveis às do "Romançero" espanhol constituem produtos de decomposição, mas

evidenciam o fato principal: o ponto de vista poético das

31) G. Paris: Histoire poétique de Charlemagne. 2.a ed. Paris, 19O5. 32) P. Rajna: Origine dele epopea francese. Firenze, 1884.

HISTÓRIA DA LITERATURA OCIDENTAL:" 249
baladas primitivas é tão diferente que dêle nunca poderia partir o espírito épico. As novas teorias foram confirmadas - sem que até hoje se tenha dado a isto muita

importância - pelos estudos de folclore e da exegese bíblica. As leis segundo as quais nasce a literatura oral são iguais

no mundo inteiro (33) ; a origem dos seus produtos pode

ser determinada pelo estilo, que varia conforme o "lugar na vida", conforme o fim prático que as obras da literatura popular sempre têm, de modo que existem diferenças

nítidas entre lenda, parábola, conto, etc. A aplicação dêsses princípios à exegese crítica do Novo Testamento deu os resultados importantes da "Formgeschiphtliche

Schule"


(K. L. Schmidt, R. Bultmann, M. Dibelius) (34) ; o méto

do está, aliás, em relação com o da "Gestaltpsychologie". Chega-se a uma verdadeira "biologia da lenda". Como qualidades essenciais da lenda primitiva notam-se a

falta de comêço e fim do enrêdo e o gôsto da repetição, que são também qualidades típicas da epopéia primitiva, das "gestes". As canções revelam-se produtos de decomposição,

e as grandes "epopéias populares" medievais, que têm comêço e fim, apresentam-se como obras de poetas individuais, se bem que anônimos.

A primeira vítima das novas teorias é a classificação tradicional das "gestes" em 3 ciclos. Quanto ao espírito que preside ao tratamento dos assuntos, é perfeitamente

o mesmo nas obras dos três ciclos, de modo que a classificação conforme os assuntos não se justifica. Quanto aos próprios assuntos, o ciclo bretão relaciona-se pouco

com as lendas célticas que lhe serviram de base, e o ciclo antigo nada tem que ver com os modelos greco-romanos: as "gestes" dêsses deis ciclos são criações tardias

e artifi


33) A. O1rik: "Die epischen Gesetze der Volksdichtung". (In: Zeit

schrilt fuer deutsches Altertum, 19O9, n .O 1.) 34) Informação sumária em:

J. Baruzi: Problèmes Whistoire des religions. Paris, 1935.

#25O OTTO MARIA CARPEAUX

ciais. Resta a "gente de Charlemagne% que, no entanto, não está isolada na Europa; o Poema de] Cid e o Nibelungenlied estão ao lado da Chanson de Roland. São as

três primeiras criações importantes das literaturas nacionais da Europa.

Segundo a opinião de certos críticos estrangeiros, os franceses exageram o valor da Chanson de Roland (35); a "gente" não poderia comparar-se às grandes epopéias

populares das outras nações. Essa opinião não se justifica. E:" verdade que a Chanson de Roland carece de arte consciente, de "poesia feita"; mas as outras epopéias

populares estão no mesmo caso. O valor dessas produções reside na capacidade de representar uma nação, uma época. Com a nação francesa dos tempos posteriores, nação

de patriotas-cristãos, a Chanson de Roland pouco tem que ver. Rolando e outros personagens revelam devoção cristã; porém esta não é motivo da sua ação. E patriotismo,

no sentido moderno, a Idade Média não o conheceu. A "dulce France", a palavra chave do poema, só revela que o último redator do texto atual conhecia Virgílio, mas

o espírito da obra não é virgiliano. Os costumes que a epopéia apresenta são um grande anacronismo; os guerreiros do século VIII aparecem como cavaleiros feudais;

está em contradição com isso o exagêro, evidentemente primitivo, das fôrças físicas e das façanhas corporais. Sentimentos mais delicados não existem - além do forte

sentimento de honra - e não há nenhum vestígio de psicologia. Mas, com isso, o poema

35) O texto atual da Chanson de Roland foi redigido entre 1O98 e 11OO, ou por volta de 112O, conforme outra tese. O "Turoldus" que assina no fim do manuscrito da

biblioteca de Oxford, não é o autor, mas o copista.

Primeira edição por Fr. Michel, 1837.

Edições por Ch. Samaran, Paris, 1934, e por R. Mortier, Paris, 1948.

J. Bédier: Commentaires sur Ia Chanson de Roland. Paris, 1927. E. Faral: La Chanson de Roland. Paris, 1934. E. Mireaux: La Chanson de Roland. Paris, 1943.

HISTÓRIA DA LITERATURA OCIDENTAL

está perfeitamente caracterizado. Os costumes feudais e as expressões religiosas não passam de um verniz. A Chanson de Roland representa a época em que os franceses

estavam mal cristianizados, e, por assim dizer, ainda não eram franceses. Eram francos. Assim como no Poema de] Cid castelhano subsiste espírito visigótico, e assim

como no Nibelungenlied alemão subsiste espírito escandinavo, assim também a Chanson de Roland pertence à época da transição entre a barbaria germânica e a civilização

francesa. A esta última deve simplesmente a existência. A primeira deve a grandeza sombria das cenas mais famosas, da despedida de Rolando, e da sua morte. A Chanson

de Roland é, dentro da literatura francesa, como um monumento que está tão distante de nós que mal se lhe enxergam os contornos; a Idade Média considerava a epopéia

como monumento do feudalismo valente, na luta contra os infiéis, e o romantismo considerava-a como monumento do patriotismo religioso. Na verdade, a Chanson de Roland

é um dos grandes e um dos mais fortes poemas bárbaros da literatura universal. Em tôda a literatura francesa posterior não existe, porém, tradição de barbaria, nem

outra tradição épica nem, por isso, outra grande epopéia.

Ruy Díaz de Vivar, herói de lutas dos espanhóis contra os árabes, e de outras lutas de senhor feudal contra

o seu rei, morreu em 1O99; o Poema del Cid (36) foi redi

36) O texto atual do Poema del Cid foi redigido por volta de 114O. O autor era provàvelmente natural de Medinaceli. "Per Abbat" é o copista do manuscrito de 13O7.

Primeira edição por Tomás Antonio Sánchez, 1779. Edição por R. Menéndez Pidal, 2.a ed. 3 vols. Madrid, 1944/1946. R. Menéndez Pidal: L:"épopée castillane à travers

Ia littérature espagnole. Paris, 191O.

R. S. Rose e L. Bacon: The Lay of the Cid. Berkeley, 1919. R. Menéndez Pidal: La Espana del Cid. Madrid, 1929.

P. Salinas: "The Reproduction of Reality: The Poem of the Cid". (In: Reality and the Poet in Spanish Poetry. Baltimore, 194O.)

Dám. Alonso: "Estilo y creación en el poema del Cid". (In: Ensayos sobre poesia espanola. Buenos Aires, 1944.)

251

#252 OTTO MARIA CARPEAUX

gido por volta de 114O, isto é, imediatamente após os

acontecimentos. Êsse fato explica a exatidão geográfico

histórica do poema. Ao passo que na Chanson de Roland os

acontecimentos históricos se transformam em façanhas sô

bre-humanas e a geografia é fabulosa, é possível acompa

nhar o Cid no mapa e nos anais. Tudo está certo, e Me

néndez Pidal pôde estabelecer a relação mais íntima entre a epopéia e, por outro lado, a história e a sociedade es

panholas do século XI. Contudo, o Poema del Cid não é

uma crônica ritmada. É - o que a Chanson de Roland não

é - uma obra de arte, intencionalmente feita, da qual Dámaso Alonso pôde analisar o estilo. Não se compõe de "cantilènes" anteriores, mas está dividido em três partes

bem distintas, em composição simétrica: o conflito do herói com o poder real, e o seu destêrro; o casamento das suas filhas com os infantes de Carrión; e a ação

do Cid contra os genros covardes e traidores. O que a imaginação popular considera como assunto principal do poema - a luta contra os árabes e a conquista de Valência

- é apenas a conseqüência do seu destêrro, e fica reduzido, à luz da análise da composição, a valor episódico. Resta explicar o forte acento patriótico-religioso

da epopéia, no sentido do "patriotismo" medieval. Menéndez Pidal afirma, com tôda a razão, o fundo germãnico, visigático, da inspiração do poema. Não é possível,

porém, negar a influência francesa. A literatura francesa é a mais poderosa entre as medievais, irradiando influências por tôda a parte. Assim como o exemplo da

"gesse de Charlemagne" inspirou Geoffrey de Monmouth na transformação de confusas lendas célticas em romances de cavalaria feudal, assim a Chanson de Roland inspirou

a um anônimo de Medinaceli a idéia de cantar o Cid como herói da guerra nacional contra os infiéis. Neste sentido, o Poema de] Cid é uma "gesse"; mas é uma gesta

espanhola, ou antes - mais exatamente - uma gesta castelhana, "dura e sólida como os muros românticos de Ávila". O Cid do poema não tem

HISTÓRIA DA LITERATURA.OCIDENTAL 253

nada da bravura romântica que a imaginação dos povos do Norte dos Pireneus acredita encontrar na Espanha. É um castelhano sóbrio, leal, mas com vontade indomável



Dostları ilə paylaş:

©2018 Учебные документы
Рады что Вы стали частью нашего образовательного сообщества.
?


problemi-v-processe-rodov.html

problemi-vodosnabzheniya-2.html

problemi-yazikovogo.html

problemi-zhanrovogo-3.html

problemikimi--.html